28 de ago de 2009

' Uma Janela Aberta - Poema VI.

Nos recônditos da minha sensata lucidez
Encontro picos excêntricos, excentricamente
Loucos.
Nesta realidade que me prende, que me puxa,
Que me veste, que me insiste,
Revisto-me de liberdade, de abundancia
De luz.
Na amplitude da consciencia,
Na totalidade do ser que compreende,
Dobro esquinas de brilho,
Percorro estradas de extravagância,
Mergulho em mares de vento solto
Até doer.
Nesta alma matematicamente morta,
Estupidamente viva,
Até doer choro, até doer encontro o choro
Que me faz, apenas, ser.

CS

1 comentários:

Jorge Rolim disse...

Rasgar as páginas
não significa lamento;
não acreditar nos poetas,
escrever qualquer coisa
com cara de poema, pão e grão de feijão,
é uma mania de brincar contra as claridades,
um modo de apregoar
primaveras, alheias e belas,
ainda que na boca da noite.
Pode parecer estranho, é
justo modo de tomar outras estradas
e amigar-se do anteontem e do depois
de amanhã. Hoje correr pelas margens,
entrar noite adentro para, quem sabe,
encarar seduzindo o que faz nascer de novo as casas
que dormem. Ver no escuro talvez,
amar mais... gosto da forma que escreves. Mostra beleza da alma combinando com o corpo. sucesso em tudo na vida. BJUUSSS