28 de ago de 2009

' Uma Janela Aberta - Qualquer.

Sou uma qualquer,
Não diferente de todas as outras
Quaisquer,
Nem diferente de qualquer
Nenhuma.

Sou uma qualquer,
Tão igual por ser diferente

Mas não diferente por ser igual
A qualquer igual ser,
Enfim,

Qualquer alguma.

Sou uma qualquer,
Espero por qualquer sorriso,
Qualquer beijo e qualquer sonho
Em que sonhe que não sou, afinal,
Qualquer uma.



CS

1 comentários:

Sara S. disse...

Gostei do jogo de palavras ao longo do poema.
"Tão igual por ser diferente
Mas não diferente por ser igual"
Fez-me também pensar se por querermos ser diferentes não nos tornamos também iguais na vontade. Bom fim-de-semana. :)